Skip to main content

Não tenha medo de exercer influência direta nas emoções de sua contraparte. Isso pode parecer manipulativo ou mesmo inescrupuloso, mas você pode usar essa influência para o bem. Por exemplo, se sua contraparte parecer ansiosa ou irritada, a injeção de humor ou a garantia de empatia podem mudar drasticamente o tom da interação. Da mesma forma, se sua contraparte parece excessivamente confiante ou agressiva, expressar raiva bem colocada pode inspirar uma boa dose de medo.

Em uma pesquisa recente com Elizabeth Baily Wolf, descobri que é possível ir ainda mais longe na administração das emoções dos outros: você exibe uma emoção, sua contraparte a vê e então molda sua interpretação dela. Por exemplo, imagine que você comece a chorar no trabalho. (O choro é um comportamento difícil de controlar e muitas vezes embaraçoso.) Dizer "estou em lágrimas porque sou apaixonado" em vez de "sinto muito por ser tão emotivo" pode mudar completamente a forma como os outros reagem e como eles veem seu autocontrole e competência.
http://rtu.edu.ph/ojs/index.php/gs/comment/view/1/744/7935

rtu.edu.ph/ojs/index.php/gs/comment/view/1/744/7935, Nov 05 2018 on gilrg18.withknown.com